Rugas, eu? Na era virtual, é cada vez maior a procura por harmonização facial; mulheres são as campeãs

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Está cada vez mais distante o tempo em que procedimentos estéticos eram coisa de famosos ou dos mais velhos, que buscavam nesse tipo de recurso uma forma de reduzir os efeitos da idade, as indesejadas rugas trazidas com o tempo. Hoje, cada vez mais os jovens buscam na estética um meio para se sentir bem.  E quem nunca sonhou com isso? No mundo virtual, onde as pessoas se expõem seja para falar do próprio dia a dia ou como ferramenta de trabalho, a aparência conta e como conta. É aí onde surge aquele desejo de dar uma repaginada no visual e a busca pela harmonização facial. 

O Eufemea conversou com a cirurgiã-dentista Juliana Fragoso, formada pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), especialista em ortodontia e ortopedia dos maxilares (ABO- PE 2010) e com especialização em andamento em harmonização orofacial (FACSET- MG), que conta como funciona, para que servem os tratamentos e os cuidados que se deve ter na escolha  do profissional.  

“Cada vez as pessoas vêm procurando mais os procedimentos estéticos, querendo melhorar alguma coisa na sua aparência. Eu vejo isso como uma necessidade de se sentir bem, porque hoje em dia, até com essa questão das redes sociais, as pessoas estão cada vez mais expostas. Com isso, vem a vontade de estar com a aparência cada vez melhor. É a vaidade misturada com a necessidade de se sentir bem”, revela a especialista. 
O antes e o depois é registrado pela profissional que foge da padronização hoje tão valorizada …

Mas não basta apenas querer ficar mais bela, é preciso cuidado na escolha do profissional e do local, como pontua Juliana.  “Com o profissional adequado, com um ambiente adequado e próprio para o procedimento, o produto correto, as chances de intercorrências são bem reduzidas”, ela diz. 

São as mulheres, segundo Juliana, as que mais procuram os procedimentos estéticos, mas os homens também recorrem às técnicas, só que com uma diferença. “Nas mulheres, muitas querem procedimentos que sejam pouco mais radicais, que modifiquem bastante a aparência. Os homens, a maioria, desejam mudanças mais sutis, que as pessoas não percebam tanto que houve aquela intervenção. Mas, ainda assim, o público feminino é o grande campeão de procura”. 

Novo sorriso 

Enquanto cirurgiã-dentista, Juliana destaca que seu trabalho é com procedimentos estéticos na face e na boca. “A gente também não pode esquecer que o nosso sorriso é responsável por 30% da nossa harmonia facial, tá aí clareamento realizado em consultório e o caseiro que também  é uma alternativa importante no processo de rejuvenescimento facial, porque os dentes amarelados  envelhecem até 12  anos a pessoa”, ela alerta, ao dizer que no consultório são feitos “botox, preenchimento e os fios faciais”. 

E como da odontologia a profissional foi parar na estética facial? Ela conta que é ortodontista por formação, especialista.  

“A minha natureza era sempre de melhorar o sorriso, na forma do alinhamento, dos dentes, do posicionamento dentário mesmo. Mas aí eu sempre achava que no final do tratamento a gente conseguiria melhorar mais ainda se tivesse um lábio, um queixo, um mento um pouquinho mais bem posicionado e aí com a junção da harmonização e a ortodontia a gente consegue ter uma finalização perfeita”. 
…E mostra como o tratamento ajuda na mudança de marcas indesejadas e também na autoestima

Ela destaca ainda que os cirurgiões-dentistas trabalham também com harmonização facial e que a especialidade deles foi reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia e pelo Conselho Regional de Odontologia em 2019. “Foi um ganho maravilhoso para a profissão porque a gente ficou respaldado completamente pelas diretrizes dos órgãos competentes a realizar esse tipo de procedimento”. 

Quanto aos procedimentos mais procurados, Juliana Fragoso informa que são os preenchimentos labiais, de olheira e o botox, que normalmente, segundo ela, “é o primeiro que as pessoas costumam fazer para suavizar as ruguinhas, os pés de galinha”. 

Sem padrões: carro-chefe! 

Mas e o que é de fato a tão falada harmonização facial? “É uma prevenção ao envelhecimento. A gente vai tentar retardar o envelhecimento. E aí, o que a gente recomenda? Que quando as pessoas começarem a sentir qualquer mudança no rosto, começar o aparecimento das ruguinhas quando sorrir, perceber que aquele famoso bigode chinês está ficando marcado, a pessoa pode iniciar o processo de harmonização facial. Hoje em dia, as pessoas estão iniciando um processo bem preventivo, por volta dos vinte e poucos anos”, revela Juliana Fragoso. 

Quase todas as pessoas podem fazer os procedimentos, como atesta a profissional. “A gente precisa realizar uma consulta, uma anamnese, para saber se a pessoa toma algum medicamento, se tem alguma restrição, grávidas, mulheres em aleitamento exclusivo não deve realizar, mas na consulta a gente consegue avaliar se o paciente tem indicação ou não. Eu prezo pela naturalidade”. 

“Acho que as pessoas estão procurando harmonização facial e algumas estão querendo ficar padronizadas. Eu não gosto do termo, a padronização. Acho que cada um tem que ter um tratamento individualizado e indicado exclusivamente para a pessoa, porque aí você vai ressaltar a sua beleza, a sua parte boa e esconder aquela imperfeição e aí, sim, você vai fazer uma harmonização legal, vai ficar bonita e as pessoas não vão saber direito o que você fez, mas vai ficar mais bonita”.
“Eu acho que ainda respeitar a individualidade e a essência de cada um é o carro-chefe”, afirma Juliana, ao mostrar a mudança trazida pelos procedimentos cada vez mais procurados

Longe de padrões, a profissional é enfática: “Eu não sou a favor da padronização: de todo mundo ter queixo quadrado, bocão. Eu acho que ainda respeitar a individualidade e a essência de cada um é o carro-chefe”.  

Por isso, os tratamentos são individualizados, como afirma a especialista e a duração varia de acordo com o produto. “O botox, que é a toxina botulínica para prevenir as rugas, dura entre três e cinco meses, em média. Pessoas que são atletas, que fazem crossfit, que têm a mímica facial muito forte, essa duração é comprometida, dura um pouco menos. Pessoas que usam acelerados metabólicos, também. Já o preenchimento facial, que é com ácido hialurônico, dependendo da localização, dura entre seis meses e um ano”. 

Os materiais utilizados são biocompatíveis e os riscos são muito reduzidos, diz Juliana Fragoso, segundo a qual, “tendo uma técnica correta de aplicação, um material adequado, os riscos são muito pequenos”. 

Mudança ajuda na autoestima 

Não é apenas a aparência que muda com o tratamento estético. Juliana ressalta que a mudança ajuda também na autoestima. “Nessa era da rede social, se pessoa se vê mais bonita, sem ruga, que está com o lábio mais bonito, mais contornado, que não está com aquela cara de cansada porque removeu a olheira, com certeza a autoestima dela vai melhorar. Isso aí é fato, não tem nem o que questionar”. 

Já os valores, o Conselho de Ética não permite que sejam expostos e somente após uma consulta para avaliação podem ser passados individualizados, “porque a quantidade que a gente vai usar em um paciente não é a mesma que a gente vai usar no outro. Então, até assim é difícil falar em valores gerais. E se a pessoa demorar a começar o tratamento, com certeza ela vai gastar mais, porque como a gente falou é um tratamento para prevenção ao envelhecimento. Se você deixa estar com as rugas instaladas, com o rosto precisando de muito mais ácido hialurônico, com certeza o seu tratamento vai ser mais caro do que a pessoa que procurou desde os primeiros sinais”.