Preservativo feminino: “Muitas mulheres deixam a prevenção na mão da parceria”, diz educadora em sexualidade

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Atualmente, segundo dados do Ministério da Saúde (MS), cerca de 920 mil pessoas vivem com HIV no Brasil. Sendo que 89% delas foram diagnosticadas e 77% fazem tratamento com antirretroviral. Quando falamos em mulher, para prevenção contra aids, hepatites virais e outras doenças sexualmente transmissíveis, existe a camisinha feminina. Mas será que esse preservativo é usado pelas mulheres? Quantas mulheres que você conhece que realmente já experimentaram essa camisinha? Muitas sequer viram.

Hoje, no Dia Mundial de Luta contra a Aids, o Eufemea conversou com a educadora em sexualidade Laylla Brandão sobre o assunto. 

Segundo ela, socialmente falando, se foca muito na questão de prevenção de gravidez e doença. Porém, por mais que o preservativo feminino esteja nos postos de saúde, a camisinha masculina ainda é a mais ofertada.

“É muito fácil a questão do manuseio da camisinha na hora do sexo quando se fala no homem. A masculina é mais prática e muitas vezes, a mulher acaba deixando essa prevenção e responsabilidade na mão da parceria”, ressaltou.

A educadora acredita que há informação sobre a camisinha feminina, mas não tanto quanto a masculina. “A prova disso é que as camisinhas masculinas são comercializadas nas farmácias de forma mais fácil do que a camisinha feminina”.

Outro ponto que também a educadora chamou atenção é sobre a prática de introdução e a ausência de informação sobre a aplicabilidade da camisinha feminina. “A do homem é apenas vestir. Quando falamos na mulher até percebemos que existe essa ausência de informação. Ou seja: muitas mulheres não sabem usar, não levam o preservativo na bolsa, por exemplo. E quando levam, é sempre o masculino”.

A dica que a educadora deu é para que a mulher compreenda que o uso do preservativo feminino é responsabilidade também dela e que ela não pode deixar isso nas mãos da parceria. 

COMO USAR – O preservativo feminino é bem maior que o masculino, pois envolve todo o colo do útero e os grandes lábios; tem cerca de 15 centímetros de comprimento e oito de diâmetro e possui dois anéis flexíveis. Um é móvel e fica na extremidade fechada, servindo de guia para a colocação do preservativo no fundo da vagina. O segundo, na outra ponta, é aberto e cobre a vulva (parte externa da vagina).

Clicando nesse vídeo você assiste a demonstração completa. O preservativo feminino é tão eficaz quanto a camisinha masculina, tanto como método contraceptivo como de prevenção da transmissão do HIV/aids, da sífilis, da gonorreia, do vírus zika e de outras infecções sexualmente transmissíveis (IST).