Com apenas três mulheres secretárias, prefeito JHC é criticado: “A nova política com velhas práticas”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Foto: Vereadora Olívia Tenório

A pouca participação de mulheres no comando de secretarias na gestão de João Henrique Caldas (JHC) na Prefeitura de Maceió chamou a atenção. Na escolha do novo prefeito, apenas três mulheres foram convocadas para o primeiro escalão. Em nota, o gestor informou que “as mulheres estão compondo os quadros de todas as secretarias da gestão”.

Em comparação à ex-gestão de Rui Palmeira, que tinha sete mulheres, houve redução de 57%, justamente em um momento em que as mulheres têm cada vez mais protagonismo no cenário nacional.

Um documento enviado ao Eufemea mostra que, quando candidato, assinou uma carta de compromisso sobre políticas públicas para as mulheres. Uma das obrigações seria a de combater a desigualdade de gênero. O documento partiu de vários movimentos de mulheres.

Entretanto, mesmo tendo assinado a carta, JHC anunciou, dos 21 secretários, apenas três mulheres: Rayane Tenório (advogada) que assumiu a Secretaria de Gestão;  Emily Pacheco, advogada, que ficou com a Arser (Agência Municipal de Regulação de Serviços Delegados); e a professora Mirian Monte, que foi para a Fundação Municipal de Ação Cultural.

Vereadoras criticam prefeito

A vereadora Olívia Tenório (MDB) deixou clara sua insatisfação e questionou os nomes divulgados. 

“É um retrocesso em relação a outros mandatos. Na gestão do prefeito Rui Palmeira, sete mulheres ocupavam espaços em cargos de destaque, mais do que o dobro dos nomes apresentados pelo JHC”, afirmou.

Olívia relembrou a carta assinada por JHC junto ao Movimento de Mulheres por Maceió representada pela OAB e destacou um trecho dela.

“Garantir no PPA, LDO e LOA no mínimo 1% do orçamento para fortalecer as Políticas Públicas para as Mulheres. Assegurar paridade de gênero na atribuição dos cargos públicos de direção na gestão municipal”, citou.

De acordo com Olívia, o governo deveria refletir sobre a diversidade social, os interesses democráticos e a participação de todos. 

“O que parece não ser o caso. O papel das mulheres é incontestavelmente menor que a participação masculina. É muito difícil conceber que em um  conjunto amplo de bons nomes, existam tão poucas mulheres para assumir cargos essenciais para nossa capital”, comentou Tenório.

“Política com velhas práticas”

Quem também se posicionou foi a vereadora Teca Nelma. Segundo ela, infelizmente, a renovação de Maceió continua apostando em políticas sexistas.

Vereadora Teca Nelma Foto: Cortesia ao Eufemea

“Isso me deixa triste. A nova política continua com velhas práticas. Você observa que o discurso até muda, mas a política de homem sempre prevalece”, desabafou.

A vereadora disse que existem várias mulheres capazes de assumirem cargos designados a homens. 

Por meio das redes sociais, um grupo de advogadas divulgou uma notícia sobre a gestão do prefeito de Recife, João Campos, que formou a equipe com 50% de mulheres e comparou com JHC. Campos é do PSB, mesmo partido de JHC.

“Em Maceió, entretanto, o quadro é inverso e nos deparamos com um verdadeiro retrocesso. Teremos menos de 15% de mulheres no primeiro escalão da Prefeitura”, escreveram.

JHC reforça compromisso com as mulheres
Prefeito JHC. Foto: Secom Maceió

Por meio de nota enviada pela assessoria de comunicação, o prefeito enfatizou que “a equipe da Prefeitura de Maceió está sendo montada com quadros técnicos e com gente que gosta de gente”.

“As mulheres estão compondo os quadros de todas as secretarias da gestão. O prefeito JHC reforça o compromisso com as mulheres e garante que as demandas serão sempre ouvidas, debatidas e atendidas”, diz um trecho da nota.