Como será o cenário da Arquitetura de Interiores no Pós-Pandemia?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

É com muito entusiasmo que escrevo meu primeiro artigo para o Portal Eufemea como colunista de Arquitetura. Meu objetivo será compartilhar com todas as leitoras do site as notícias, tendências e dicas de arquitetura semanalmente.

É necessário falar sobre a Arquitetura de interiores no Pós-Pandemia e abordar o assunto sobre a maior crise sanitária global que está movimentando todo o Cenário da Arquitetura Mundial em vários segmentos, frente ao combate do coronavírus e na prevenção de futuras infecções.

Segundo a historiadora e antropóloga brasileira Lilia Schwarcz, o impacto da pandemia pelo Sars-CoV-2 vem sendo considerado como marco inicial do século 21. Contudo, não poderia deixar de observar esse tema como prioridade pelo fato de interferir diretamente na forma de morar das pessoas.

A pandemia vai alterar os nossos livros de história. Inclusive, ela vai mudar a datação de quando começa o século 21. Na minha opinião, o século 21 começa nesta pandemia”. (Schwarcz, 2020) 

Num breve histórico, a Arquitetura e Urbanismo foram no decorrer da humanidade, protagonistas na resolução de problemas que afetaram os ambientes construídos, principalmente no que se refere à qualidade dos espaços interiores e na prevenção de transmissão de doenças.

Ao longo do século XIX e início do século XX, a tuberculose se proliferou por todas as capitais importantes da Europa, enquanto não se descobria a causa da transmissão, os arquitetos eram orientados por médicos e empresários a criar projetos que promovessem a ventilação natural e com incidências solar abundante, sendo estes os únicos procedimentos que se revelaram benéficos para o controle da doença (GONÇALVES, 2020).

Sobrados de Londres início do século XX.

Com a continuidade da epidemia na virada do século XX na Europa, visando melhorar a saúde dos pacientes, a Arquitetura Modernista sofreu muita pressão, no que se refere ao projeto hospitalar, obrigando os projetistas a desenvolver projetos com grandes vãos para ventilação cruzada e elevados do solo para evitar a umidade onde proliferavam as bactérias. (CASAS Y ESCUELAS ANTICOVID, 2020).

Dessa maneira foram lançados os Princípios da Arquitetura Modernista, que incluía o design de móveis com formas orgânicas e materiais de fácil limpeza que evitava o acúmulo de poeira e microrganismos que transmitiam as doenças infecciosas.

No caso da pandemia pelo covid-19, a forma de morar e de executar atividades de rotina foram alteradas por ações de controle de disseminação do novo coronavírus, por meio do isolamento ou distanciamento social aliado a necessidade de permanecer em casa. Tornando o espaço habitacional o local de inúmeras atividades como: trabalho, estudo, lazer, refeições, exercícios físicos, espaço de relaxamento e de meditação.

Essas atividades num passado próximo eram realizadas, quase sempre, fora do ambiente domiciliar. Mas, através da tecnologia da internet foi possível desenvolvê-las de forma remota nas residências ou por meio de aplicativos ressignificando a definição do habitar.

Dessa forma, dentre as diversas mudanças ocorridas na arquitetura de interiores através dos tempos, no caso da covid-19, as alterações concentram-se na forma de organização do espaço. Enquanto no século XIX com a tuberculose, era de ruptura com estilo arquitetônico da época considerada pelos arquitetos insalubre.

Independente da evolução do processo pandêmico do novo coronavírus, as tendências que poderão prevalecer nos ambientes internos, sejam incentivados pela ampliação da cobertura digital nas cidades ou pela mudança de hábito são:

  1. Espaço de higienização;
  2. Revestimentos e acabamentos de fácil higienização;
  3. Cozinhas em destaque;
  4. Home office;
  5. Ambiente integrados e de multiuso;
  6. Valorização do lazer;
  7. Plantas na decoração – Urban Jungle;

Os itens acima enumerados serão o tema dos próximos artigos onde ilustrarei comentando cada tópico falando das tendências associadas ao ambiente e decoração. Aguardem!

Referencias bibliográficas

¿CASAS Y ESCUELAS ANTICOVID? El ejemplo de cómo la arquitectura moderna frenó la tuberculosis, 2020.

1 VÍDEO (7 min). Publicado pelo canal El Confidencial. Disponível em:https://www.youtube.com/watch?v=qsaZPRbh3cs.

GONÇALVES, Helen. A tuberculose ao longo dos tempos. Universidade Federal de Pelotas (RS). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59702000000300004 .

SCHWARCZ,Lilia.https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/2020/07/05/o-seculo-21-comeca-nesta-pandemia-analisa-a-historiadora-lilia-schwarcz

CUTIERU, Andreea. “As tendências de arquitetura potencializadas ou reconsideradas em 2020” [The Architecture Trends Accelerated or Reconsidered in 2020] 31 Dez 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado 8 Jun 2021. <https://www.archdaily.com.br/br/954251/as-tendencias-de-arquitetura-potencializadas-ou-reconsideradas-em-2020> ISSN 0719-8906

Marco Aresta, Nikos Salíngaros. “A importância do espaço doméstico em tempos de COVID-19” [La importancia del espacio doméstico en tiempos de COVID-19 ] 17 Mai 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado 8 Jun 2021. <https://www.archdaily.com.br/br/939395/a-importancia-do-espaco-domestico-em-tempos-de-covid-19> ISSN 0719-8906