Como a Constelação Familiar ajuda a liberar traumas e destravar questões da nossa vida? Especialista responde

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Você já se notou repetindo algum padrão familiar? Ou tem alguma questão mal resolvida em algum aspecto da sua vida? Existe um método que pode te ajudar a destravar algumas questões da sua vida: a Constelação Familiar. Ela foi criada pelo teólogo, filósofo e pesquisador alemão Bert Hellinger (1925-2019) que leva em consideração conceitos energéticos e fenomenológicos.

A constelação é considerada uma prática terapêutica que busca resolver conflitos familiares que atravessam gerações. Para explicar mais como esse método funciona, o Eufemea conversou com a Mastercoach e Consteladora Familiar, Michelli Larissa.

Os benefícios da constelação são inúmeros. Ela ajuda a liberar energeticamente o que está atrapalhando a sua vida e traz uma virada de chave na forma de pensar. Ela é capaz de liberar traumas, tristezas, medos, entre outros.

Constelação substitui terapia?

Um ponto importante que deve ser ressaltado: a constelação familiar não busca substituir a terapia. “Ela é uma ferramenta que possibilita ver os estados emocionais, sentimentais e comportamentais de uma forma mais ampla”, explicou Michelli.

A consteladora comentou que depois de fazer a constelação, a pessoa pode continuar o processo dentro da terapia sistêmica. “É você olhar de forma mais ampla os problemas e soluções”.

Um dos principais problemas que as pessoas enfrentam é a relação com a família, mas apesar do nome carregar o ‘familiar’, a constelação pode trabalhar qualquer problema amoroso, profissional, saúde, dinheiro, doença, entre outros.

Michelli explicou que no caso de constelar a família não é necessário que todos os familiares participem da constelação de forma presencial.

“Na verdade, cada um constela você e aí você vai entender o papel que tem diante da sua árvore genealógica”, comentou.

As três leis do amor

A Constelação se baseia em três conceitos conhecidos como Leis do Amor que atuam consciente e inconscientemente em todos os sistemas de relacionamentos.  São elas: a lei do pertencimento, lei da ordem ou hierarquia e equilíbrio.

Como funciona a constelação?

Foto: Reprodução Internet

Ela pode ser individual ou em grupo. Durante a sessão são recriadas algumas cenas que envolvem sentimentos e sensações que o constelando tem sobre aquele determinado assunto que ele levou.

A individual funciona apenas com a consteladora e o cliente. Caso seja de maneira coletiva, algumas pessoas participam como voluntários e os participantes vivem essas cenas. Nas individuais são usados bonecos, âncoras, pedras, entre outros.

“Hoje eu constelo a partir de cinco anos qualquer pessoa, mas crianças e pessoas inválidas preciso de autorização. O formato da criança é diferente, precisa ser uma técnica mais infantilizada para que a criança de forma espontânea”, disse.

“O papel do constelador é ser o observador do campo morfogenético apresentado dentro da constelação familiar. Ele é o observador e o analista sobre o que está sendo apresentado, como você se posiciona e como é seu olhar perante a família. Ele vai fazer um movimento sistêmico para identificar e desbloquear”, concluiu.