Envelhecimento precoce bucal é cada vez mais frequente; saiba como evitar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Você sabia que seus dentes podem estar em processo de envelhecimento muito mais rápido do que deveriam devido ao seu estilo de vida? Esse problema é cada vez mais frequente entre jovens, sendo observado, muitas vezes, pacientes com aspecto bucal representando o dobro da idade real.

Os hábitos vão determinar um envelhecimento acelerado fazendo com que a boca desenvolva doenças, danificando mais precocemente as estruturas minerais, como dentes, ligamentos periodontais, articulação, osso e gengiva.

A cárie sempre foi o grande vilão, seguido pela doença periodontal (perda de osso e de gengiva) na idade adulta e aprendemos que, para prevenir, bastava escovar os dentes adequadamente, assim como fazer o correto uso da técnica, uso do fio e creme dental.

Porém, uma doença contemporânea começou a chamar atenção e servir de alerta à população pelo fato de ter uma relação direta com o estilo de vida. Ela começa com o desgaste do esmalte (tecido externo do dente), expondo a dentina e causando uma retração precoce da gengiva, levando ao aparecimento de cavidade e sensibilidade dentária. Esse processo, se não for combatido leva à perda do dente, mesmo sem o paciente apresentar alguma cárie.

Existem alguns grupos de risco que são mais suscetíveis ao surgimento desse envelhecimento de maneira precoce, como:

  • Ex-usuários de aparelhos ortodônticos (onde em algumas situações durante a correção dos dentes podem causar alterações ósseas irreversíveis).
  • Indivíduos com doença gástrica (refluxo, bulimia..) podem acelerar o processo de erosão dentária (Ler matéria anterior).
  • Atletas com elevado consumo de substâncias cítricas na dieta, limão espremido diariamente, isotônicos.
  • Indivíduos com hábitos parafuncionais (apertamento e bruxismo) muito relacionados ao estresse.
  • Efeitos colaterais de medicamentos
    Quando o problema não é tratado e esses hábitos passam a fazer parte da rotina diária, esse desgaste contínuo leva à interferência gengival com a migração e exposição da raiz do dente, exposição da dentina (parte interna do dente) o que proporciona aumento da sensibilidade, alteração da mastigação, dor nos dentes e sobrecarga na articulação temporomandibular (ATM).

Os fatores que estão mais relacionados com o envelhecimento bucal precoce são:

  • Estresse e ansiedade
  • Hábitos alimentares
  • Doenças Gástricas

O envelhecimento bucal precoce é um dos maiores desafios atuais na Odontologia e é fundamental adotar medidas preventivas, como hábitos de escovação e técnica corretas, troca frequente da escova, visita regular ao cirurgião-dentista para proporcionar um diagnóstico precoce e prevenção dos problemas. Além da mudança de hábitos alimentares e prática de exercícios físicos para liberação do estresse.

Não adie o problema! Procure seu cirurgião-dentista e cuide da sua saúde oral!

www.harmonita.com.br