“As cenas degradantes foram assistidas em silêncio”, diz secretária ofendida por deputado estadual; entenda o caso

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Foi durante uma audiência pública para tratar da relocação de vendedores ambulantes que o deputado estadual Tarcizo Freire (PP) ofendeu duas mulheres na Câmara de Vereadores de Arapiraca. Quem estava presente ouvia em ‘silêncio’ as ofensas e insultos do parlamentar contra a assistente social Lidiane Paes e a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Rosa Lira.

Tudo começou quando o deputado disse que estava defendendo os interesses do povo e se posicionou de forma contrária aos argumentos da assistente social.

A assistente social disse que ainda não poderia ser liberada a venda de bebidas alcoólicas em espaços públicos, por causa do cumprimento de leis.

Exaltado, Tarcizo Freire disse que Lidiane e Rosa faziam parte de uma corja. Em outro momento, o parlamentar disse que a servidora “não prestava” e que tinha ódio no coração.

“Você tem que ter mais amor, fé em Deus, mais boa vontade. Senti a maldade dessa jovem. Acho que nem mãe ela é, porque se fosse mãe, não trataria um filho dessa forma. Gente ruim. Você está na profissão errada”, disse.

Em pé, o parlamentar disse que “nasceu com o cunhão roxo e que não abre para ninguém”.

Ao lado dele, Rosa Lira estava chorando e saiu em defesa da servidora, dizendo que o parlamentar foi insensato e havia passado dos limites. Entretanto, Rosa era interrompida ao falar.

Confira o vídeo completo abaixo:

“Foram todos omissos”

Ao Eufemea, Rosa contou que o que causou choque e espanto foi a mudança repentina de humor do deputado, além do tom que ele passou a usar.

“Ele teve uma fala misógina e de forma deselegante através de uma comunicação violenta, buscou intimidar a servidora”, ressaltou. Rosa cita a parte que o deputado disse: “Você tem ódio no coração, Nem Mãe ela é, gente ruim”.

Segundo a secretária, “todas as cenas degradantes foram assistidas em silêncio por toda nossa equipe e pelo público presente, incluindo parte dos vereadores”. 

“O deputado no momento da minha fala me interrompeu com um discurso de ódio e me agredindo, ameaçando e ampliando sua para os demais servidores municipais presentes, nos denegrindo com as seguintes expressões  “hipócritas e corjas”, enfatizou.

Ao Eufemea, Rosa disse que o ato de machismo de Tarcizo não veio apenas dele, mas da presidência da Câmara e demais vereadores presentes que se calaram. “Eles foram omissos”, comentou.

Após esse ocorrido, Lidiane e Rosa vão entrar com uma representação criminal contra o parlamentar no Ministério Público Estadual e pedirão para que haja apuração da conduta do deputado pelo Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de Alagoas.

Versão do deputado

Por meio de nota, o parlamentar se retratou “de forma humilde e respeitosa”, segundo ele.

Leia a nota abaixo:

Venho a público de forma humilde e respeitosa deixar um pedido de retratação em especial às mulheres, em virtude de um vídeo que circulou nas redes sociais na última sexta-feira (08/10). 

Gostaria de esclarecer, que em nenhum momento tive a intenção de ofender qualquer pessoa, mas no calor do momento e em defesa de todos os ambulantes houve uma exaltação em minhas palavras, reconheço! 

Mas não no sentido de mal dizer, machucar ou ofender, principalmente as mulheres, pois tenho todas elas como um ser divino e que merecem meu total respeito. Inclusive na oportunidade, defendi às inúmeras mulheres que estavam ali brigando por seu pão de cada dia, logo defendo a classe desde o ano de 2013.

Ressalto que em momento oportuno usarei a tribuna da Assembleia Legislativa bem como outros meios de comunicação para esclarecer toda a verdade sobre os fatos veiculados. 

Um grande abraço, fiquem todos com a benção do nosso Senhor!