Vereadora denuncia agressão de prefeito alagoano: “Me chamou de cachorra”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Foto: Reprodução

A vereadora Gersileide Silva (Republicanos), do município de Santa Luzia do Norte, registrou um Boletim de Ocorrência contra o prefeito Márcio Lima após ter sido agredida verbalmente durante uma reunião na Câmara de Vereadores. Ao Eufemea, a vereadora disse que o gestor a chamou de cachorra.

Segundo a vereadora, após a reunião, o prefeito foi questioná-la sobre o voto contrário relacionado a um projeto. “Ele veio falar de oposição e perguntou por qual motivo não votei no projeto de trazer a Unopar para o nosso município”.

Gersileide Silva respondeu que não era obrigada a votar em todos os projetos que ele traria para o município. “Disse que ele tinha a maioria dos vereadores e que não se preocupasse com o meu voto”.

De acordo com a vereadora, o gestor ‘se descontrolou’ e a ofendeu chamando de cachorra.

“Ele não é homem. Ele só não me agrediu fisicamente porque o vice-prefeito puxou o gestor”, contou.

Depois do que aconteceu, o Sinteal emitiu uma nota de repúdio contra a agressão.

Em solidariedade à parlamentar, o Sinteal, através do Núcleo Regional/Rio Largo, condena as agressões verbais e a tentativa de intimidação e agressão física contra a vereadora, pois é inadmissível que mulheres que lutam para ampliar a representatividade feminina nos espaços de poder e que defendam a educação e seus trabalhadores e trabalhadoras – como é o caso da vereadora Gersileide Silva – sejam vítimas de uma violência política traduzida, no caso em questão, em agressões verbais e (quase) físicas.

Além disso, o Sinteal cobrou das autoridades responsáveis a apuração da denúncia, e pediu que a Justiça encaminhe o processo para as devidas punições legais. “Não podemos, e não aceitamos mais conviver com exemplos como este, de machismo, misoginia e intolerância”.

A União dos Vereadores do Estado de Alagoas também emitiu uma nota.

O prefeito não se posicionou sobre o caso. O Eufemea tenta contato com o gestor e deixa o espaço aberto para qualquer esclarecimento.