Primeiro debate ao Governo de AL tem pautas femininas abordadas e discussão sobre companheira de candidato

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

 Foto: 7segundos

O primeiro debate entre os candidatos ao Governo de Alagoas na noite desta terça-feira (30), promovido pelo Grupo 7 segundos de Comunicação, abordou algumas pautas femininas, mas também teve espaço para que o senador Fernando Collor atacasse o adversário Rodrigo Cunha por causa da nomeação da namorada dele, Millane Hora, para um cargo na Prefeitura de Maceió.

Durante o debate, Cícero Albuquerque (PSOL), Fernando Collor (PTB), Luciano Almeida (PRTB), Paulo Dantas (MDB), Rodrigo Cunha (UB) e Rui Palmeira (PSD) apresentaram suas propostas e responderam questionamentos de internautas e entidades sobre políticas para mulheres.

Propostas para mulheres

No segundo bloco, Cícero Albuquerque foi sorteado para responder a pergunta enviada pela vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL), Natália Von Sohsten, que questionou quais os projetos de governo do candidato para as mulheres e para o combate à violência de gênero.

Em sua resposta Albuquerque afirma que a violência contra as mulheres é um tema histórico e destacou a importância da participação masculina no combate ao machismo estrutural.

“A violência contra a mulher não é apenas física, mas também psicológica e emocional. As mulheres deste país vêm sendo massacradas e não serão libertadas dessa condição de opressão sozinhas por conta própria, elas precisam da nossa participação, do lugar do homem na história”, declara.

Já o candidato Rui Palmeira, foi questionado pela presidente da Associação Para Mulheres (AME), Julia Nunes, sobre o plano de governo do candidato para Organizações Não Governamentais que auxiliam mulheres em vulnerabilidade e sobre as casas de passagens em Maceió.

O ex-prefeito de Maceió propôs delegacia para mulheres 24h em Arapiraca e na capital de Alagoas, onde o atendimento seria realizado por agentes femininas.

“Alagoas é campeã nacional de feminicídio e o governo do Estado fez pouco para conter essa violência. Sabemos da precariedade, fomos parceiros de várias ONGs, entendo que o melhor modelo é a parceria com organizações não governamentais”, disse.

“Mundo machista”

No debate, as mulheres também foram citadas. O senador e candidato ao Governo, Fernando Collor criticou Rodrigo Cunha por ter indicado a namorada, cantora e advogada Millane Hora, para o cargo de assessora especial de Políticas Sociais, com um salário de R$ 11.000,00 na Prefeitura de Maceió.

“Não me pareceu que ela tinha as aptidões técnicas para exercer esta função”, citou.

Após o ataque, Cunha disse que Collor “não respeita a própria esposa, imagina as outras mulheres”.

“Millane [Hora] é uma pessoa extremamente qualificada, ela trabalha nessa área há muito tempo, mas não foi empossada. Ela não foi remunerada por conta dela, não foi um homem que deixou, justamente porque a gente vive em um mundo machista e sabemos que no momento eleitoral tem os aproveitadores”, explicou Cunha.

Ele ainda reforçou que Collor “respeitasse as mulheres alagoanas”. “Não se mede mulher pelo homem que está do lado dela. Isso é puro machismo”.

Ainda em ataque, o senador Fernando Collor expôs que Cunha estaria mentindo sobre a criação do Hospital do Amor, em Arapiraca, que seria iniciativa da deputada federal Tereza Nelma (PSDB).

“A deputada disse que o Hospital do Amor não foi obra sua e que você anda mentindo por aí sobre isso”, disparou Collor.

Em resposta, Rodrigo Cunha afirmou que ele foi convidado por ela para participar do projeto de construção do hospital.

A construção da primeira unidade do Hospital de Amor em solo alagoano foi realizada com apoio do senador Rodrigo Cunha (PSDB), que realizou a destinação de R$ 14.182.870,00, e da deputada federal Tereza Nelma (PSDB), que também designou mais R$ 14.182.870,00 em recursos federais.