Só três dos sete candidatos ao Governo de Alagoas têm planos que incluem público LGBTQIA+; confira

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Apenas três dos sete candidatos a governador de Alagoas incluíram propostas voltadas para o público LGBTQIA+ em seus planos de governo enviados ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os candidatos Bombeiro Luciano Fontes (PMB), Fernando Collor (PTB), Luciano Almeida (PRTB), e Rui Palmeira (PSD) não apresentaram propostas para o público. Já Cícero Albuquerque (PSOL), Paulo Dantas (MDB) e  Rodrigo Cunha (UB) abordam o tema em seus planos. Confira:

Paulo Dantas (MDB)

Paulo Dantas. Foto: Cortesia

O governador de Alagoas cita  LGBTQIA+ quando aborda direitos humanos e segurança pública.

Confira as propostas:

-Capacitar os profissionais de segurança pública para prevenir e atender casos de discriminação, intolerância e violência contra os povos tradicionais e as populações negra e LGBTQIAP+;

-Apoiar a realização de festivais, encontros acadêmicos e culturais das comunidades LGBTQIAP+.

Professor Cícero Albuquerque (PSOL)

Foto: Assessoria

O candidato do Psol aponta que Alagoas é o estado do território brasileiro que mais mata pessoas LGBTQIA+ de forma violenta. Segundo o professor, “os casos são mais graves se levarmos em conta as outras violências vivenciadas pela comunidade como desemprego, depressão, agressão física e verbal, expulsão de casa, ausência de políticas integrais de saúde, estupro corretivo, entre outras”.

Confira algumas das propostas:

– Diálogo com o movimento LGBTQIAP+, para elaboração de políticas públicas;

– Programas de assistência social, orientação e formação técnica e profissional para a população LGBTQIAP+;

Programa de incentivo e valorização a empregabilidade de pessoas transseuxias e travestis em Alagoas;

– Produção dados sobre pessoas LGBTQIAP+ em situação de rua e articular as políticas de assistência social e habitação, com unidades de acolhimento e políticas afirmativas para habitação popular;

– Capacitação e treinamento continuado dos servidores públicos a respeito da diversidade sexual e de gênero;

– Prevenir e enfrentar o bullying e a violência LGBTfóbica e promover respeito e valorização da diversidade, com material de formação contra o preconceito, sobre diversidade de gênero e sexualidade para a preparação de educadores e estudantes;

Uso de nome social nas escolas e banheiros adequados à identidade de gênero auto percebida;

Saúde integral das mulheres lésbicas, bissexuais e homens trans, articulando com as instituições de formação de profissionais da saúde, combatendo a violência ginecológica e obstétrica.

Rodrigo Cunha (União Brasil)

Rodrigo Cunha. Foto: Assessoria

O senador promete incorporar e garantir a adoção de estratégias e ações de caráter multisetorial no âmbito das políticas públicas. Ele cita a comunidade quando afirma abranger “a prevenção da gravidez na adolescência e estratégias de planejamento familiar, além da população em situação de rua e grupos LGBTQIAP+”.

Confira a proposta:

-Incorporar e garantir a adoção de estratégias e ações de caráter multisetorial no âmbito das políticas públicas com o intuito de fornecer serviços de qualidade, informação e orientação, particularmente nos territórios de maior vulnerabilidade, com atenção abrangente a crianças, mulheres, jovens (especialmente juventude negra), abrangendo a prevenção da gravidez na adolescência e estratégias de planejamento familiar, além da população em situação de rua e grupos LGBTQIAP+.