Colabore com o Eufemea

Contadora e Controladora-Geral de Alagoas: Adriana Araújo destaca empoderamento feminino e ações para a comunidade LGBT

Alagoas é o único estado em que há paridade de gênero nas secretarias. Das 27, 14 são comandadas por mulheres. O Eufêmea iniciou uma série de entrevistas com as secretárias que comandam tais pastas.

A sexta entrevistada é a Controladora-Geral do Estado de Alagoas (CGE), Adriana Araújo. A contadora e especialista em Auditoria diz que tem como objetivo fortalecer o órgão de controle através de novas ações, melhorar os mecanismos de Controle Social, trabalhar o Empoderamento Feminino e apoiar ações para os membros da comunidade LGBTQIA+.

Confira a entrevista abaixo:

Quem é Adriana Araújo?

Controladora Geral do Estado, Graduada em Ciências Contábeis, Especialista em Auditoria, Controladoria, Perícia e Gestão Pública, Mestranda em Contabilidade Pública, Membro da Academia Alagoana de Ciências Contábeis, Diretora da Fundação Brasileira de Ciências Contábeis, Vice-Presidente de Administração e Planejamento do Conselho Regional de Contabilidade de Alagoas, idealizadora da Liga de Mulheres Contabilistas e mãe da Hanna Carolina e do João Gabriel.

Alagoas é o único estado com paridade entre homens e mulheres no secretariado. O que representa para as mulheres alagoanas?

Passei alguns anos ouvindo que determinadas posições só poderiam ser ocupadas por homens, sendo desafiada ou ouvindo que não merecia estar naquele lugar, seja porque eu era jovem, casada, mãe ou, simplesmente, por ser mulher. Em alguns poucos momentos, fui, realmente, avaliada levando em consideração minhas habilidades e competência para o cargo.

O Governador Paulo Dantas está comprometido em promover a igualdade de gênero, com destaque para o empoderamento das mulheres, quando traz a mulher para o protagonismo da posição de liderança. O Estado de Alagoas só ganha com essa visão administrativa tão contemporânea. Não só o Estado, como também, e principalmente, as mulheres alagoanas.

O Governador trouxe à pauta, o seu compromisso com o tema das mulheres, seja na diversidade ou na liderança. Quando trazemos essa realidade para Alagoas, estamos tratando de possibilidades, por vezes inimagináveis, para que mais mulheres cheguem em posições de tomada de decisão, por sua visão holística e assertividade.

Para você, qual a importância de ocupar um espaço majoritariamente masculino?

Eu sempre conquistei meu espaço com estudo e muito trabalho. Em alguns momentos, tive que desviar de alguns episódios de machismo, assédio e assim fui superando preconceitos, discriminação e até ofensas. Mas, fui tomada pelo fator surpresa, e ainda sou, em algumas oportunidades, quando alunas e ex-alunas, hoje colegas e parceiras de trabalho, me dizem que sou um modelo e querem chegar onde eu cheguei.

Hoje, é importante que eu me veja como referência para muitas mulheres, principalmente nordestinas, que correm atrás de seus sonhos porque, isso me faz atuar com mais garra para provar a elas que elas também podem.

Quais os projetos pretende desenvolver este ano?

Entre os projetos, na Controladoria, estão: fortalecer o órgão de controle através de ações para implantar o IA-CM, uma ferramenta estratégica nacional tem como objetivo fortalecer a atividade de auditoria interna governamental, numa parceria com o Banco Mundial; implementar o Compliance e a LGPD e replicar para os demais órgãos que compõem o Poder Executivo; melhorar os mecanismos de controle social, entre eles a Ouvidoria, o e-Sic-Sistema de Correição e Portal da Transparência, através da implementação de tecnologias que tragam maior facilidade no acesso à informação por parte da sociedade; capacitar os servidores dos órgãos e os usuários de recursos públicos em prestações de contas, entre outras ações.

E, como projeto pessoal, a ênfase está em trabalhar o Empoderamento Feminino, projeto já iniciado, principalmente na classe contábil feminina, área em que também atuo aqui no Estado. Meu público alvo é principalmente o das mulheres recém formadas, que estão entrando no mercado de trabalho; mulheres que saíram do mercado de trabalho e querem retornar; mulheres que estão em transição de carreira, além de apoiar ações para os membros da comunidade LGBTQIA+.

Como você enxerga a mudança de presidente? Acredita que Lula olhará mais para mulheres e trará mais projetos?

Quando assisti a Posse do Presidente Lula e vi a cena do Presidente subindo a rampa do Planalto acompanhado de representantes da sociedade civil, para mim, foi um momento emocionante. Ter a diversidade brasileira representada naquela foto ainda hoje me emociona.

Acredito que estamos em um momento de muita abertura política para as mulheres. E ele começou abrindo espaço para tantas nos Ministérios, com destaque para o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial, Cultura, Meio Ambiente e tantos outros. Esse é um passo que não retrocede mais!

Os projetos do novo presidente, sem sombra de dúvidas, já começaram no momento em que ele criou o Ministério das Mulheres. Espero que venham muitos mais projetos de combate à violência contra a mulher, de implantação políticas públicas para trazer a mulher ao mercado formal e à igualdade salarial, principalmente.

Quando recebeu o convite para ser secretária, aceitou de primeira ou teve medo de assumir o cargo? Por que decidiu aceitar?

Eu já estou na área pública há quase 19 anos. E desse tempo, cerca de 17 anos foram na Controladoria. Assumi a CGE na gestão Renan Filho em julho de 2021, interinamente. Quando o Governador Paulo Dantas assumiu em maio de2022 me convidou para continuar na gestão, dessa vez à frente da pasta até agosto, quando fui convidada a assumir a Diretoria Financeira do Alagoas Ativos.

No final de 2022, recebi o convite do Governador para voltar ao primeiro escalão, à frente da CGE, junto com ele em 1º de janeiro, compondo um secretariado majoritariamente feminino. O medo é natural. Faz parte de nossas vidas e não podemos nos sucumbir a ele. Naquele momento, fiquei bastante emocionada e agradecida. Mas os desafios me movem! Então, aceitei de imediato, e já comecei a planejar o futuro tão iminente e a delinear projetos.

A Controladoria Geral do Estado é o órgão de assessoramento imediato do Governador. Estar na linha de frente da gestão Paulo Dantas é para mim motivo de muita honra e orgulho. A liderança feminina, apesar de ser um tema ainda controverso para muitos, no nosso Estado, é a tradução do respeito pela mulher em forma de gestão.

Rebecca Moura

Rebecca Moura

Estudante de jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas. Colaboradora do portal Eufêmea.