“Nosso propósito é empoderar mulheres para as etapas da jornada empreendedora”, diz fundadora de coletivo feminino

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

A Rede Mercado Mulher nasceu durante um café entre amigas em 2018 e foi fundada pela jornalista alagoana Danielle Cândido. O objetivo do encontro era conversar sobre negócios, mas com o passar do tempo, esses encontros se tornaram mensais e despertaram a curiosidade de outras mulheres que demonstraram interesse em participar.

Ao Eufemea, Danielle contou que a Rede Mercado serve como “um espaço de encontro para o protagonismo da mulher de negócios”.

“O nosso propósito é empoderar mulheres para as etapas da jornada empreendedora, fortalecendo os pequenos negócios”, disse.

Danielle Cândido também é professora universitária e pesquisadora. Por um mundo melhor ela apoia a causa “Escolha a Calma” e atua como multiplicadora do programa Ela Pode, com o apoio do Google.

Quem participa da Rede recebe vantagens através do Clube Rede Mercado Mulher. São eles:

  • Participação de um grupo da Rede no WhatsApp, com informações e oportunidades de networking com empreendedoras;
  • Acesso exclusivo aos descontos e vantagens de uma rede de parceiros;
  • Espaço de divulgação nos principais canais de comunicação da Rede Mercado Mulher e
  • Direito a 20% de desconto nos eventos da Rede Mercado Mulher.

O que a rede oferece?

De acordo com a fundadora, a rede funciona como um grande canal de networking. “Temos eventos que devido à pandemia estão parados, mas temos o Café com Empreendedoras, mentorias individuais e em grupo. E a rede em parceria com a revista Due promove o Empodera Alagoas que é o primeiro e maior  evento de empreendedorismo feminino de Alagoas que ocorre em novembro”,  explica.

Desafios para empreender 

Quando questionada sobre os maiores desafios para as mulheres empreender ela diz que, são dois: primeiro, o tempo. Porque a maioria das mulheres são donas de casa e profissionais. “O gerenciamento de tempo devido muitas demandas”, disse. E o segundo é a crença limitante que são inseridas as mulheres desde cedo. 

“As crenças limitantes de uma sociedade que oprime e que faz com que a mulher não acredite que ela não pode ser empreendedora”, reforçou Danielle.

Conselho para empreender 

Por fim, a fundadora disse que é necessário que se tenha planejamento, mas que começar é o primeiro passo. “Cada dia um pouco. Faça parte de uma rede de mulheres, se conecte com outras mulheres. Veja histórias de mulheres inspiradoras, olhe para elas”, afirmou.

Para Dani, a mulher que quer empreender deve seguir os seguintes passos: planejar e executar, e se conectar com mulheres empreendedoras.

“Algo que pode ser difícil para você, outra mulher pode responder e vice-versa, essa troca é o que nos fortalece. Uma vai ajudando a outra”, finalizou.