Compre do pequeno negócio: mulheres se reinventam e vendem ovos de páscoa artesanais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Com a chegada da Páscoa deste ano, as empreendedoras que possuem pequenos negócios precisaram se reinventar por causa da pandemia causada pelo novo coronavírus e criaram ovos de páscoa artesanais. Com o intuito de incentivar a sociedade a comprar do pequeno, o Eufemea traz a história de quatro mulheres do ramo da confeitaria em Maceió.

Chiara Xavier – @cakerie 

Ela tem 32 anos, é a confeiteira da Cakerie e possui o seu próprio negócio há quase 09 anos. No início, Chiara investiu em sobremesas para delivery e segundo ela, sempre teve o desejo de fazer doces diferenciados. Foi na pandemia que ela viu a oportunidade de tocar o negócio.

Mas a demanda de encomendas de bolos voltou a crescer e depois de algumas semanas não conseguia mais dar continuidade às sobremesas.

“Para atender a demanda por bolos menores, lancei a Box Festinha na Medida, para até quatro pessoas, o que teve uma saída muito boa”, disse.

Chiara contou que esse  ano começou em um ritmo mais lento, diferente do ano passado, mas as vendas já normalizaram.

Quando questionada o porquê as pessoas devem comprar de pequenas empreendedoras, ela diz: 

“Porque são pessoas que, em sua maioria, exercem o trabalho com amor e dedicação, buscando frutos. Não apenas o sustento em si, mas se realizar no que faz e buscar a satisfação do cliente”, afirmou.

Giulia Paola – @giulia.confeitaria 

Ela tem 27 anos e entrou no mundo do empreendedorismo há pouco mais de três meses, mas sempre gostou da área e fazia para família e amigos. Sua primeira encomenda ocorreu em dezembro de 2020, então aí ela viu a oportunidade.

Giulia conta que vendeu “bem na medida do possível”. Segundo ela, a concorrência nessa área é grande e é difícil. “É complicado ter o retorno de clientes de imediato. É um trabalho de formiguinha”.

Ela explicou que possui outra empresa de alimentação que foi muito afetada com a pandemia do novo coronavírus e a Giulia Confeitaria veio para ter um extra.

Foto: Cortesia ao Eufemea

Sobre os pequenos negócios, Giulia não tem dúvida de que o cuidado está em primeiro lugar. “Trabalhamos com muito amor e o principal: feito bem artesanalmente. Quem compra valoriza o trabalho e o sonho dos pequenos empreendedores”.

Maria Alice Feitosa – @maricotadocess_

Alice tem 20 anos e está há um pouco mais de um ano no ramo, e durante a pandemia ela tentou se reinventar trazendo materiais que ainda não tinham aqui em Maceió, usando da sua criatividade e sempre estudando. 

Foto: Cortesia ao Eufemea

Em comparação ao ano passado ela afirma que houve uma diminuição nas encomendas, por conta do aumento do preço dos materiais. “As pessoas não estão comprando tanto, mas não foi algo muito alarmante”, disse.

Alice disse ao Eufemea que comprar do pequeno faz a diferença para o empreendedor e consumidor. “Pois você está adquirindo um produto que foi feito com muito carinho, com muito amor. Temos um diferencial: o atendimento personalizado e cada encomenda leva esse carinho especial para o cliente.”

Taciana Alves – @vegansabores

Taciana Alves, 36 anos, trabalha com produtos veganos há 4 anos. Durante a pandemia, ela entrou em algumas plataformas de entregas e criou produtos mais baratos e menores para atingir um maior número de pessoas.

Foto: Cortesia ao Eufemea

Ela afirmou que no ano passado vendeu bem, mas nesse ano as vendas estão mais ociosas.

E por qual motivo devemos comprar do pequeno negócio? Para Taciana, o pequeno empreendedor se reinventa diariamente.

“Nos esforçamos para divulgar e levar o nosso produto até você. Grandes empresas já têm todo o aparato para sobreviverem, nossa luta é diária!”, finalizou.