“Quando você vai ter um filho?” Para especialista, constante cobrança às mulheres nasce das relações patriarcais de gênero

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

“Quando você vai ter um filho?”. Essa pergunta e outras do tipo fazem parte da rotina de muitas mulheres que passam pela primeira fase da vida adulta, mais precisamente na faixa entre 20 e 40 anos. Essa pressão pela maternidade traz um incômodo para mulheres que não querem ter filhos ou, no momento, estão priorizando outras coisas.

A professora e assistente social Silmara Mendes Costa Santos, doutora em Serviço Social e docente do curso de Medicina do Centro Universitário Tiradentes (Unit Alagoas) disse que apesar dos avanços históricos e conquistas das mulheres decorrentes das lutas sociais dos sujeitos feministas, a reprodução do patriarcado e da lógica heterossexista exerce um controle sobre a subjetividade, o corpo e a sexualidade da mulher, impondo um modo de ser feminino e masculino.

“Deste modo, a constante cobrança às mulheres para que elas sejam mães, nasce das relações patriarcais de gênero, socialmente determinadas, com base nas relações concretas”, explicou.

Segundo ela, as cobranças por filhos baseiam-se nas estruturas sociais moldadas conforme o patriarcado, regime no qual a vontade do homem prevalece sobre a autonomia da mulher.

Silmara avalia que as relações sociais de gênero determinam um modelo de família com liderança do homem, casado com uma mulher que lhe gera filhos, e que isso é associado com o controle do corpo e da subjetividade da mulher, incluindo o da procriação.

Ou seja: trata-se de um modelo construído socialmente, e não naturalmente. “Nenhum destino biológico, psíquico ou econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualifica de feminino”, diz ela, evocando uma frase da filósofa e ativista francesa Simone de Beauvoir (1908-1986): “Ninguém nasce mulher: torna-se”.

Ainda de acordo com Silmara, esse controle sobre a autonomia da mulher influi inclusive no debate sobre a legalização ou descriminalização do aborto, que no Brasil só é permitido em casos muito específicos.

Propostas neste sentido são fortemente combatidas por grupos religiosos e conservadores. A doutora em serviço Social qualifica esse controle como uma forma de violência. “Às mulheres não é permitido o direito de decidirem sobre a maternidade. Deste modo, a sexualidade das mulheres e o aborto são tratados de forma conservadora, dificultando o acesso à informação e acompanhamento adequado pelo sistema de saúde e educação”, analisa.

Afinal, é errado sugerir ou pedir que uma mulher tenha filhos?

Para a professora, não é questão de qualificar isso como “bom ou ruim”, mas apenas de “respeitar o tornar-se mulher” de cada uma.

“No nosso ponto de vista, nem a maternidade, nem a paternidade podem ser mediações para o pleno desenvolvimento dos indivíduos. Deste modo, as cobranças da maternidade não podem criar obstáculos ao desenvolvimento das mulheres, sendo assim, para que as mulheres sejam plenamente livres, é preciso respeitar as suas escolhas e vontades”, define Silmara.

*com informações da Assessoria