Doméstica e mãe solo, ela deixou o emprego para ser gastróloga: “Quem diria que uma mulher da periferia chegaria tão longe?”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Gastróloga, empreendedora, preta e periférica. É assim que Elane Cristina do Nascimento, de 41 anos, se define. Por anos, Elane trabalhou como doméstica e foi mãe solo de quatro filhos adolescentes. A vida dela foi marcada por várias dificuldades, mas tudo mudou quando ela decidiu abandonar o emprego de doméstica e ingressou no curso de gastronomia. Foi uma verdadeira reviravolta.

Ao Eufemea, Elane contou a sua trajetória e o que significou para ela ganhar o 1º lugar do Prêmio Eufemea Mulher de Destaque Nordeste na categoria gastronomia.

Elane Nascimento, gastróloga. Foto: Cortesia

Segundo Elane, o trabalho de doméstica é digno e foi fonte de sustento durante toda a vida dela, mas ela precisava de uma vida melhor. “Eu já trabalhava com isso há anos. Após uma separação difícil e tendo que proporcionar uma vida melhor para mim e para meus filhos, deixei minhas inseguranças de lado e ingressei no curso de gastronomia”.

Algumas situações contribuíram para que Elane desse esse pontapé na vida profissional. Além da separação, a gastróloga disse que viveu muitas situações complicadas em algumas casas que trabalhou. “Vi que era o momento de seguir meus sonhos”.

Mulher empreendedora, preta e periférica

Perguntada o que significa ser mulher e empreendedora no Estado, Elane disse que são inúmeros desafios. “Desde da geração do seu negócio no quesito de ter um capital a desvalorização do seu serviço por você não ter nome no mercado. Como por exemplo, você não está localizada ou recomendada dentro de um nicho de chefs localizados no eixo Ponta Verde/Jatiúca”.

Hoje, Elane trabalha no restaurante DonCapri e faz parte da equipe da cozinha do restaurante. Além disso, ela é sócia da Anela, que ajuda a complementar a renda dela.

“Ter uma rotina para saber conciliar cada aspecto da minha vida exige organização. Então como trabalho a noite, geralmente os finais de semana são bem intensos. E concílio a Anela e o meu trabalho formal na cozinha do restaurante, além de ter tempo de qualidade com meus filhos”, explicou.

A gastróloga diz que é movida a desafios. Ela considera que conquistou e vive uma pequena parte do sonho que é trabalhar exclusivamente com gastronomia.

“Mas amo o dinamismo e penso em futuramente empreender na área de cozinha brasileira e montar um negócio específico nessa área”, afirmou.

Prêmio Eufemea

Sobre ter vencido em primeiro lugar na categoria gastronomia do 1º Prêmio Mulher de Destaque Eufemea, Elane disse que isso trouxe um gás para novos desafios.

“Eu estou planejando e pensando em novas possibilidades para ampliar meus conhecimentos e minha área de atuação dentro da gastronomia. Com essa pandemia e os desafios diários estava me sentindo paralisada, porém ganhar esse prêmio me fez perceber que eu tenho uma rede de amigos brilhantes e leais”, explicou.

E acrescenta dizendo que: “Quem diria que uma menina que viveu sua vida na Ponta da Terra e criou seus filhos no Vale do Reginaldo como uma mãe de família chegaria tão longe? Ainda quero alçar novos voos e tentar novas possibilidades para ser cada dia mais realizada”.