Após comentário de cunho sexual, estudante passou 10 anos sem usar batom vermelho: “Fiquei paranoica”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Foto: Reprodução/Internet

Bianca*, de 20 anos, sempre foi vaidosa e adorava usar maquiagem com batons de tons fortes e muito brilho. Ela contou ao Eufemea que seus lábios sempre foram carnudos, mas que isso nunca a incomodou. Mas foi na infância que ela ouviu um comentário de cunho sexual que a destruiu por completo.

A estudante não quis ser identificada e por isso vamos chamá-la de Bianca. Com 10 anos, Bianca queria usar um batom vermelho para ir à aula, e pediu um batom emprestado para a tia.

“Sempre me senti bem usando maquiagem, especialmente batons. Não via como algo essencial ou uma dependência. Eu me maquiava por diversão”, contou.

Foi na escola, no momento do intervalo, que um menino mais velho, de aproximadamente 14 anos, disse que ela tinha “boca de chupona”, e reforçou que quando ela estava de batom, ficava mais evidente.

Como Bianca tinha apenas 10 anos, ela não entendeu o que aquilo significava. “Mas foi aí que ele disse que esse termo se referia a mulheres que praticavam muito sexo oral”.

Ao escutar isso, a estudante correu para o banheiro chorando. “Fui limpar o batom. Não queria parecer vulgar e que ninguém me enxergasse assim”.

Depois desse comentário, ela evitou usar batom durante 10 anos. “Fiquei paranoica e acreditava que todas as pessoas imaginavam isso de mim. Evitei me olhar no espelho por um tempo”.

Bianca só conseguiu passar batom de novo aos 20 anos, depois que passou a trabalhar com imagem. Em um dos seus trabalhos ela percebeu que faltava algo no seu visual. Por impulso, ela decidiu passar um batom de cor clara, mas que trouxe a confiança de volta.

“Passei anos da minha vida evitando usar batom, pensando no que os outros achariam. E poder voltar a usar sem sentir esse peso é, verdadeiramente, libertador”, afirmou.

“Espero que ele tenha evoluído”

A estudante acredita que o rapaz não sabia a proporção que esse comentário tomou em sua vida. Mas que gosta de imaginar que ele evoluiu como homem e que não tenha repetido esse comentário por aí.

A vontade de Bianca é de poder sentar com ele um dia e contar como esse comentário afetou sua vida.

Quando questionada se tem algum conselho para as mulheres que deixam de usar algo devido a comentários, ela fala que, não importa a cor do esmalte que você usa, não importa a cor do batom que você passe, você merece respeito.

“Nunca se prive de fazer algo que você gosta, ou até mesmo usar algum produto, pensando em como a sociedade machista vai te enxergar. O papel do homem é te respeitar, não constranger”, revelou.

Por fim, Bianca disse que aprendeu que não deve aceitar ser constrangida por ninguém. “Não corra pro banheiro pra tirar maquiagem, enxugue as lágrimas e passe mais batom. O mundo precisa de mulheres corajosas que não tenham medo de serem como elas são”.