Caso influencer Duda Martins: após o fim do inquérito da polícia, o que acontece de agora em diante?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Foto: Rebecca Moura/CM

A Polícia Civil concluiu o caso da influencer Duda Martins que acusou um turista de Brasília de estupro. Segundo a delegada Maria Angelita, o homem não será indiciado por falta de provas. Nas redes sociais, o assunto ganhou proporção e muitas pessoas atacaram a influenciadora digital. Mas o que acontece de agora em diante?

O inquérito foi concluído pela PC e será enviado para a Justiça. “A Justiça pode entender que precisa de novas diligências ou arquivar o caso”, explicou a delegada em coletiva.

A Associação Para Mulheres, que faz a defesa de Eduarda, disse que o caso tramita de maneira sigilosa e que todas as providências legalmente cabíveis serão tomadas no decorrer do processo.

A influencer usou as redes sociais e disse que não vai se pronunciar sobre o caso até a advogada dela ter acesso ao inquérito policial.

“Ainda não houve pronunciamento sobre o caso porque não tivemos acesso ao inquérito e ao que foi falado. Estarei aguardando minha advogada para comunicar tudo aqui”, escreveu Eduarda nas redes sociais.

Defesa vai processar influencer e advogada

Por outro lado, a advogada do turista, Graciele Queiroz, disse que o inquérito policial mostrou que as alegações feitas pela influencer não eram verdadeiras, que as investigações não encontraram nenhuma prova de que houve estupro ou das acusações feitas e que, por isso, foram finalizadas.

A advogada afirmou que irá entrar com ação contra Eduarda, e contra sua advogada, por denunciação caluniosa.

“Estamos entrando com uma ação por denunciação caluniosa contra a influencer e sua advogada. Iremos levar isso até a última instância para que ela (Eduarda Martins) pague por esse transtorno. Hoje meu cliente não consegue dormir, não consegue ir a um restaurante, porque ele acha que está todo mundo o apontando e o chamando de estuprador. Ele é um pai de família, um homem que tem 15 anos de serviço público e tudo o que ela falou é mentira. Queremos que ela receba a referida pena por denunciação caluniosa”, disse Graciele Queiroz.