Vocalista de banda alagoana é apontado como autor de agressões contra mulheres; cantor nega

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

O vocalista da Banda Atrito 82 foi apontado como autor de várias agressões envolvendo mulheres em Maceió. Ao Eufemea, as mulheres denunciaram as agressões e criticaram os organizadores de um show que será realizado neste domingo (13), cuja banda de abertura é a Atrito 82.

O Eufemea foi procurado por essas mulheres que não quiseram ser identificadas. Uma delas contou que namorou o vocalista quase um ano. “Ele no começo me parecia uma pessoa boa. Depois tudo mudou”.

Ela afirmou que no dia do aniversário dela, ele a convidou para a casa dele e os dois discutiram. “Começamos a discutir por um motivo bobo, mas ele surtou e começou a me xingar. Fiquei assustada”.

Na briga, segundo ela, ele continuou dizendo que “só não lhe dou um murro porque você é mulher, mas deveria quebrar sua cara”. Ele teria esmurrado a parede e a porta do quarto. Com medo, ela pediu para ir embora e ele não deixou.

“Ele depois me xingou de filha da peste e me bateu no rosto”, contou. Ao Eufemea, ela disse que chegou a ir na delegacia fazer um boletim de ocorrência, mas a pessoa que a atendeu fez várias perguntas como se ela tivesse dado queixa por briga. “Não me senti acolhida”.

Ela também contou que teve um vídeo íntimo vazado por ele. “Sei que foi ele. O vídeo não era com ele, era com outra pessoa que estava me relacionando, mas ele vazou e morre de medo disso”.

Outra mulher que também teve um relacionamento com o vocalista identificado como Pedro contou que namorou com ele por anos, e que teve um aborto devido a uma agressão. Ele teria chutado a barriga dela quando ela estava grávida.

Segundo uma amiga da vítima, o relacionamento dos dois foi marcado por várias agressões e amigos tentaram intervir em vários momentos. Após anos, os dois se separaram.

“Passar pano para agressor”

Neste domingo (13), a Atrito 82 abrirá o show da banda Raimundos em uma casa de show no bairro do Jaraguá. As denunciantes e um músico de uma banda alagoana — que também não quis ser identificado — disseram ao Eufemea que os produtores locais não estão preocupados com o fato de Pedro ser considerado um agressor.

“Aqui em Maceió os produtores de show não buscam fazer o reconhecimento do cenário underground da cidade. Então quando vem bandas como Raimundos, basicamente são as mesmas bandas de abertura. Quem faz parte do underground sabe que o Pedro tem processos relacionados a agressão e outros problemas. Sempre que colocam a banda Atrito nós falamos e passam pano em relação a isso”, disse o músico.

Uma das denunciantes também criticou a escolha da banda e disse que os produtores “acham” que a vida pessoal não tem nada a ver com a vida profissional, mas que as duas estão ligadas.

“É um absurdo que os produtores pensem assim. Pedro tem BO contra ele e todo mundo sabe do histórico das agressões, mas parece que gostam de passar pano”, disse.

Versão do Pedro

O Eufemea entrou em contato com o vocalista que negou as acusações. Ele disse que as denúncias não passam de “inverdades, injúria e difamação”.

“Acho que toda acusação tem que ter provas e se tem como provar procurar os meios judiciais legais, e os acusados pagarem legalmente por seus atos. Acho que acima de tudo temos que nos respeitar como seres humanos de forma igual”, reforçou.

Pedro disse que já acionou o meio jurídico. “Estão sujando a imagem de uma pessoa e prejudicando o trabalho de vários pais de família. Sem provas isso é crime”.

O vocalista também disse que as denunciantes alegam que ele tem vários filhos e não pega pensão. “Isso não é verdade. Arco com minhas responsabilidades financeiras. Sou um pai presente na vida de cada um deles”.

Por fim, Pedro afirma que os envolvidos responderão legalmente por seus atos. “Adoraria ver as provas”, voltou a dizer.