Mulheres comandam I Encontro em Saúde Mental do Trabalhador em Maceió

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Foto: Ascom SMS

O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) realizou, nessa quarta-feira (25), no auditório da Secretaria de Saúde de Maceió, o I Encontro em Saúde Mental do Trabalhador. O evento tem como objetivo capacitar profissionais de saúde dos municípios da 1ª, 4ª e 5ª regiões de saúde de Alagoas sobre investigação do adoecimento mental dos usuários, estabelecendo relação com o trabalho para elaborar políticas de saúde para a área.

De acordo com a coordenadora do Cerest, Sthefane Melo, o evento busca orientar sobre a importância do aumento dos registros de notificações de usuários trabalhadores junto ao Ministério da Saúde, no Sistema de Informação de Agravos e Notificação (SINAN).

“É evidente que há uma subnotificação desta informação, uma vez que, a segunda maior causa de afastamento do trabalho são os transtornos mentais e são poucos os municípios de Alagoas que fazem esse registro para o Ministério da Saúde”, explica a coordenadora.

O encontro desta manhã foi dividido por temáticas, sobre as quais o Cerest dialogou com os profissionais de saúde presentes. A primeira delas foi ‘O nexo do adoecimento mental com o trabalho’, conduzida pela psicóloga do Cerest, Analinne Maia.

A discussão seguiu com Karoline Félix, também psicóloga do Cerest, que falou sobre a importância do preenchimento da ficha de notificação/investigação sobre transtornos mentais.

Por fim, as assistentes sociais do Centro de Referência, Renata Amorim e Nelcirleide Pontes, falaram sobre os riscos psicossociais e intersetorialidade.

Profissionais do Cerest participaram de capacitação sobre saúde mental. Foto: Ascom SMS

O nexo do adoecimento mental com o trabalho

A psicóloga do Cerest, Analinne Maia, destacou em sua apresentação a importância da integração entre o Cerest com os serviços de saúde.

“É preciso que os profissionais tenham um olhar especial para o trabalho, porque o usuário do serviço é ou foi também um trabalhador e aquele ofício não foi neutro para sua saúde, podendo melhorá-la ou piorá-la. Então esse olhar e também os encaminhamentos e as notificações são muito importantes que possamos fomentar nossas ações”, afirmou.

Analinne Maia é psicóloga do Cerest. Foto: Ascom SMS
Analinne Maia é psicóloga do Cerest. Foto: Ascom SMS

A profissional também apresentou a série histórica das notificações nos municípios alagoanos e como a questão da subnotificação não deixa conhecer a realidade desse adoecimento, precisando que o Cerest conte com outras formas de investigação da saúde desses trabalhadores.

Os profissionais de saúde também conheceram os fatores de risco psicossocial no trabalho e as atividades laborais de maior risco para a saúde mental, como aquelas que põem a vida em risco, que expõem o trabalhador a algum tipo de violência, lideranças com visão negativa do trabalhador, alto nível de exigência para o alcance de metas, entre outras.

“Entre os principais sintomas de estresse ocupacional estão a dificuldade de concentração, redução de produtividade e desmotivação, irritabilidade e agressividade, tensão física e psíquica e os principais transtornos identificados entre os diversos trabalhadores são os transtornos mentais e comportamentais, síndrome de Burnout, lesões autoprovocadas intencionalmente e sintomas relativos à cognição, percepção, estado emocional e comportamento”, destaca a psicóloga do Cerest, Analinne Maia.

Entre as medidas apontadas para proteger a saúde mental no trabalho estão a identificação de limites pessoais, a prática de técnicas de relaxamento para a redução do estresse e o desenvolvimento de estratégias adequadas de enfrentamento para a resolução dos problemas e, se necessário, contar com um profissional de psicologia. Entre as medidas organizacionais de prevenção estão cuidar do clima e das condições de trabalho, liderar com disciplina positiva e reconhecer a valorizar o bom desempenho.

A importância das notificações

A psicóloga do Cerest, Karoline Félix, abordou com os profissionais sobre a ficha de notificação de transtornos mentais e sua importância para o profissional de saúde.

“Após o atendimento, o paciente preenche com as informações constantes no prontuário e entrega as fichas na Vigilância para que seja feita a notificação, que são dados epidemiológicos que interessam ao município e ao Ministério da Saúde para que com base nessas informações sejam elaboradas políticas públicas de investimento no futuro desses trabalhadores”, explica a psicóloga.

Karoline Félix é psicóloga do Cerest. Foto: Ascom SMS
Karoline Félix é psicóloga do Cerest. Foto: Ascom SMS

Papel do Cerest nas notificações e acompanhamento de casos

Em Maceió, através das ações dos profissionais do Cerest, o número de notificações de adoecimento mental relacionado ao trabalho, aumentou no período de 2016 a 2019. Com a pandemia, houve uma queda no registro, apesar do grande número de profissionais de saúde com sofrimento mental nesse período.

Diante dessa realidade, com o aumento no número de casos de transtornos mentais relacionados ao trabalho (TMRT), o Cerest exerce papel essencial para que se constitua a Rede Nacional em Saúde do Trabalhador (RENAST) no município de Maceió e em mais 27 municípios (1ª, 4ª e 5ª regiões de saúde) da sua área de abrangência.

Os usuários trabalhadores devem ser atendidos na rede de saúde, seja pública ou privada, e os profissionais devem estar atentos para a identificação dos casos, realizando o encaminhamento necessário para a solucionar a causa do adoecimento.

Alguns casos podem ser apoiados tecnicamente através de atendimento da equipe multiprofissional do Cerest Regional Maceió, que recebe os pacientes encaminhados pela rede de saúde, a fim de estabelecer o nexo causal do adoecimento com o trabalho, acompanhando esses casos.

Participam do encontro profissionais dos municípios de Barra de São Miguel, Barra de Santo Antônio, Coqueiro Seco, Flexeiras, Marechal Deodoro, Messias, Paripueira, Pilar, Rio Largo, Santa Luzia do Norte e Satuba, que fazem parte da 1ª região de saúde de Alagoas, área de abrangência para o atendimento do Cerest Maceió.

*com Ascom SMS