Maceió promove mutirão de exames preventivos para hanseníase: “visamos a melhoria na qualidade de vida”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Foto: Rodrigo Carlos / Ascom SMS

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promoveu, na terça-feira (30), um mutirão de exames preventivos para a detecção da hanseníase. Foram feitas buscas ativas de 30 usuários cadastrados com objetivo de pesquisar, identificar e promover o diagnóstico precoce, de modo a dar seguimento a tratamentos de possíveis testes positivos para a doença. A ação foi realizada na Unidade de Saúde da Família (USF) Durval Cortez, localizada no Prado.

“Em parceria com a Fiocruz, fizemos dois momentos enriquecedores com os participantes, que foram extremamente importantes para os profissionais se manterem informados e preparados. O teste nos dá duas possibilidades – reagente e não reagente – e quando positivo, não necessariamente essa pessoa desenvolve a doença, porém precisa ser acompanhada durante 5 anos. 95% da população não adoece, no entanto, devem voltar para avaliar o caso”, explica o médico dermatologista, Apolônio Carvalho.

Segundo Andréia Patrícia, terapeuta ocupacional do PCCH, o projeto contou com a participação de 36 profissionais de saúde e 58 agentes, e na prática, por ser uma ação descentralizada, foram a campo três médicos e três enfermeiros por unidade.

“Visamos a melhoria na qualidade de vida dos pacientes com a doença e a identificação de  novos casos para tratamento, daí a necessidade de capacitar os profissionais para a prestação desse serviço, para aumentar o percentual de cura”, disse.

“A hanseníase atinge 5% da população brasileira – em grau zero, em que a pessoa não desenvolve o à hanseníase; grau um, com perda de sensibilidade na pele; e o último grau que é mais intenso, que pode levar até à amputação de membros – por isso é importante combater esta enfermidade informando aos demais 95% da população, para quebrar os estigmas e tratar”, enfatiza Andréia Patrícia.

Andréia Patrícia, terapeuta ocupacional do PCCH. Foto: Rodrigo Carlos / Ascom SMS

Ela explica ainda que, com a capacitação e a busca ativa de casos, os profissionais de saúde estarão mais capacitados para fazer o diagnóstico e tratamento da doença, que é causada pela bactéria Mycobacterium leprae  e transmitida no contato de vias respiratórias e mucosas. A hanseníase atinge a pele e nervos periféricos, ocasionando pioras e prejuízos na questão de mobilidade e percepção. 

Sobre a ação, o médico residente Vitor Rosa ressaltou o quanto foi relevante sua participação na capacitação teórica e prática.

“Esse é um trabalho de saúde permanente, em que o profissional de saúde recebe a capacitação necessária para melhor identificar os pacientes. Isso permite que a qualidade dos atendimentos seja maior e torne o trabalho da atenção primária eficiente, além de nos manter atentos à prevenção dos problemas neurológicos que essa doença pode causar. Por isso, se faz necessário evidenciar o combate à hanseníase”, destaca.

Cronograma 

Durante toda a semana serão intensificados os atendimentos à população e usuários para testes rápidos  e encaminhamentos necessários.

QUARTA-FEIRA (31/08) 

URS Roland Simon, no Vergel  

USF Tarcisio Palmeira,  no Pontal 

PAM Dique Estrada, na Ponta Grossa

QUINTA-FEIRA (01/09) 

UBS Jardim São Francisco, na Levada 

SEXTA-FEIRA (02/09)  

USF Hélvio Auto, no Trapiche  

USF Caic Virgem dos Pobres, no Dique Estrada

*com Ascom SMS