OAB Alagoas vai acompanhar caso de influencer vítima de transfobia em AL

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

A Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL), por meio da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero, vai acompanhar o caso da influencer trans que foi vítima de transfobia, em Alagoas, no último domingo (28).

De acordo com a OAB, a comissão receberá a vítima na quinta-feira (1) para colher informações e cobrar uma atuação firme das autoridades responsáveis pela investigação.

Desde segunda-feira, a Comissão de Diversidade Sexual e Gênero tem monitorado o caso de Rebecca, que foi vítima de transfobia em um espaço para festas e eventos em Arapiraca. A comissão foi acionada através de uma amiga da vítima, que presenciou toda a situação e entrou em contato com membros do colegiado para entender como elas deveriam proceder.

Segundo Rebecca, nas duas vezes em que ela tentou ir ao banheiro feminino do espaço de eventos, ela foi expulsa pelos seguranças do local. Os seguranças ainda teriam filmado a vítima com um aparelho celular enquanto ela reclamava do ocorrido. Conforme a vítima, os funcionários alegaram que o fato teria acontecido por ordem do proprietário do estabelecimento. Todo o ocorrido foi relatado nas redes sociais, onde a influencer fez questão de reforçar quão traumática foi a situação.

A comissão fará uma reunião de acolhimento na quinta-feira para conversar com a vítima e com as testemunhas do ocorrido. Na oportunidade, os integrantes do grupo vão colher informações e formalizar os ofícios. A partir da reunião, a comissão continuará acompanhando o caso e cobrando as autoridades para que as medidas cabíveis sejam tomadas.

Marcus Vasconcelos, presidente da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero, informou que cobrar das autoridades que todos os envolvidos sejam responsabilizados “Vamos providenciar todos os ofícios e encaminhar as solicitações necessárias para que as autoridades tenham ciência da situação. Casos como esse não podem se repetir. Precisamos, acima de tudo, reforçar que situações como essa não são toleráveis”, pontuou ele. 

*Com OAB/AL