Educação inclusiva: instrutora de libras fala sobre importância de espaço para ensino da linguagem nas escolas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Instrutora de Libras e coordenadora do ensino Bilíngue, Meire Pereira. Foto: Hilderlan Oliveira.

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) celebra o Dia Nacional dos Surdos e o Dia Internacional da Língua de Sinais, comemorado nesta segunda-feira (26) com exemplos de educação inclusiva nas escolas da rede pública de ensino do Município.

A Escola Municipal Maria Carmelita Cardoso Gama possui hoje em seu quadro de professores, intérpretes e instrutores de libras e um professor surdo. Esse quadro foi formado para suprir a necessidade dos alunos surdos que frequentam as aulas, fortalecendo o ensino inclusivo, além do ensino da língua de sinais.

A escola conta com a Sala de Atendimento Educacional Especializado Bilíngue, conhecido como Espaço SAAEB. Meire Pereira, instrutora de Libras e coordenadora do ensino Bilíngue, explica a importância deste espaço para o desenvolvimento linguístico proporcionado para os estudantes.

“A ideia desse espaço é que as crianças se desenvolvam, nos aspectos educacionais e sociais. Para que isso aconteça todo ser humano precisa de um desenvolvimento linguístico, para que seja possível o avanço em todas as áreas da vida”, enfatizou.

Educação celebra o Dia Nacional dos surdos e o Dia Internacional da Língua de Sinais
Alunos surdos aprendendo a língua de sinais no Espaço SAEEB. Foto: Hilderlan Oliveira

O trabalho que envolve os alunos surdos começa com o aprendizado da língua de sinais, com o auxílio de um professor nativo na língua, proporcionando um aprendizado mais fluido. Com a proposta bilíngue, os alunos conseguem assistir às aulas na sala regular junto aos intérpretes.

Com auxílio da instrutora de Libras, Deyse Caroline, o professor da língua de sinais, Mário Lima, destaca a importância da data para a comunidade surda escolar.

Professor da língua de sinais, Mário Lima. Foto: Hilderlan Oliveira
Professor da língua de sinais, Mário Lima. Foto: Hilderlan Oliveira

“Sou professor de libras e trabalho aqui na escola Carmelita, na educação bilíngue dos surdos. Nosso objetivo é lembrar que muitas coisas precisam ser feitas para ampliar a educação a essa parcela de estudantes que por muito tempo foi excluída ou não tinha acesso a ferramentas de ensino adequadas para o seu aprendizado”, afirmou.