Quer colocar o Diu? Ginecologista tira todas as dúvidas sobre o método contraceptivo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Jaqueline da Silva Cardoso, ginecologista do município. Foto: Arquivo Pessoal

O DIU é um dispositivo produzido para ser inserido dentro da cavidade uterina da mulher com a finalidade de evitar a gravidez, funcionando como método contraceptivo. Além de seguro, eficaz e reversível, o método apresenta outras vantagens como a praticidade, já que não há necessidade do uso de outras estratégias de contracepção, além de seu período de ação que varia de 5 a 10 anos – a depender do tipo de dispositivo inserido.

Apesar de ser uma estratégia de alta eficácia, o Ministério da Saúde registra baixo índice de adesão ao método pelas mulheres. Por isso, a Saúde de Maceió (SMS) selecionou as principais dúvidas que chegam aos consultórios ginecológicos do município para serem respondidas pela médica Jaqueline da Silva Cardoso, ginecologista responsável pela inserção do dispositivo no PAM Salgadinho. Confira abaixo, as respostas:

SMS – Qual a importância da utilização do DIU para as mulheres?

Jaqueline da Silva – O DIU é um método contraceptivo muito seguro, de alta eficácia e longa duração, permitindo às mulheres um planejamento familiar adequado, autonomia reprodutiva e empoderamento.

SMS- Quais os tipos de DIU?

Jaqueline da Silva – Há dois tipos de DIU: OS hormonais (com liberação de pequena quantidade de hormônio) e os não hormonais ( de cobre e prata). O DIU hormonal está indicado para as mulheres que possuem fluxo menstrual intenso, cólica menstrual de forte intensidade ou patologias que se beneficiam com a redução ou bloqueio da menstruação, pois esse tipo de DIU tende a reduzir o fluxo menstrual e as cólicas.  Já o DIU de cobre pode ser utilizado pelas mulheres que não possuem problemas com relação a fluxo ou dores intensas durante o período menstrual.

SMS- Existem pré-requisitos exigidos para quem deseja inserir o dispositivo?

Jaqueline da Silva– Antes da inserção, é necessário que a mulher passe por uma avaliação ginecológica para a exclusão da possibilidade de gravidez vigente e para tratamento de possíveis infecções ginecológicas.

SMS- Existem contraindicações para o uso do DIU?

 Jaqueline da Silva – A paciente não pode fazer uso do dispositivo quando houver:

– Patologias que alterem a anatomia do útero, distorcendo a cavidade uterina onde o dispositivo será implantado;

-Presença de sangramento uterino anormal sem diagnóstico. Nesses casos, é preciso investigar a causa e realizar o tratamento adequado;

– Câncer de colo de útero ou de outra porção do útero;

– Alergia ao Cobre ( nos casos de DIU de cobre).

SMS- Existe um preparo que a mulher precise fazer antes de realizar o procedimento de inserção?

Jaqueline da Silva – Antes da inserção do DIU, a paciente deve passar pela avaliação ginecológica e realizar exames para excluir as situações que impeçam a aplicação do dispositivo. Se os exames estiverem normais, é realizado o agendamento do procedimento, que é bem simples e realizado no consultório médico, sem necessidade de sedação ou medicamentos. A paciente pode sentir um leve desconforto durante a manipulação do colo, comparado a cólica que acontece durante o período menstrual.

SMS- Quais recomendações a mulher que usa o DIU deve seguir após a inserção?

Jaqueline da Silva – Nada em especial, apenas recomendamos o acompanhamento ginecológico anual com a realização dos exames de rotina para verificação do estado de saúde da mulher.

SMS- O DIU atrapalha, de alguma forma,  as atividades diárias da mulher?

Jaqueline da Silva – O DIU não atrapalha as atividades diárias, práticas esportivas, nem interfere na relação sexual, pois fica inserido dentro do útero e, por isso, não é perceptível e nem sentido pela mulher em seu dia a dia.

SMS- Pode haver complicações após a inserção do dispositivo?

Jaqueline da Silva – As complicações são raras, mas pode ocorrer expulsão do dispositivo, o deslocamento dele, infecção, falha na contracepção ou fio perdido, que é a entrada do fio no colo, dificultando a retirada. Destaco, mais uma vez, que essas situações não são frequentes e que a grande maioria das usuárias de DIU não sofrem intercorrências e utilizam o método pelo tempo desejado tranquilamente.

SMS – O DIU interfere no fluxo menstrual?

Jaqueline da Silva – O DIU de cobre pode aumentar o fluxo menstrual e provocar cólicas, principalmente nos primeiros meses de uso. Mas esses sintomas geralmente diminuem com o tempo. Já o DIU hormonal tende a reduzir o fluxo menstrual e a  cólica, podendo até levar a amenorréia ( ausência de fluxo menstrual), por isso é mais indicado para mulheres que possuem fluxo aumentado, cólica intensa ou patologias que necessitam desse bloqueio de fluxo, como endometriose, por exemplo.

Inserção do DIU em Maceió

Atualmente, a Prefeitura de Maceió disponibiliza inserção do Dispositivo Intrauterino (DIU) em três Unidades de Saúde, que são: Unidades de Referência de Saúde Hamilton Falcão (Benedito Bentes), Maria da Conceição Fonseca Paranhos (Jacarecica) e no PAM Salgadinho.

Para realizar o procedimento em uma dessas unidades, é necessário agendar uma consulta com a ginecologista dos locais, que irá avaliar e solicitar os exames para posterior realização do procedimento.

*com Secom Maceió