Colabore com o Eufemea

“Saí de um ambiente onde basicamente eram só mulheres e só esse fato já é um desafio”, relata superintendente da Seinfra

Foto: Felipe Lima/Ascom Seinfra

Durante todo o mês de março, a Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) homenageia as mulheres com uma série de reportagens. A intenção principal dessas matérias é contar histórias de superação e, a partir dessas histórias, inspirar outras mulheres a reconhecer seu potencial e não desistir diante dos obstáculos que surgirem durante o trajeto, seja pessoal ou profissional.

A segunda entrevistada da série é a superintendente de Projetos Sociais da Seinfra, Leila Moreira. Ela é natural de Maceió-AL, casada, mãe de dois filhos e sempre teve sua trajetória de maneira muito independente.

Leila perdeu sua mãe quando tinha apenas dois meses de nascida e, apesar de não ter tido uma referência de mãe dentro do seu lar, seu pai e suas tias sempre a deram todo o suporte necessário. Ela conta que sua relação com seu pai sempre foi muito boa, regada a muita conversa e parceria e que sempre teve na figura paterna todo o apoio que precisou para ir em busca do que almejava.

É formada em administração, possui especialização na área de elaboração de projetos, políticas públicas e planejamento estratégico, além disso, tem experiências com políticas sociais, gestão de negócios e esteve à frente do planejamento da Secretaria de Educação de Maceió, o que contribuiu muito para sua carreira profissional.

Foto: Felipe Lima/Ascom Seinfra

À frente da Superintendência de Projetos Sociais (SPSOC), Leila explica que o setor é primordial para a execução dos projetos da secretaria, uma vez que a SPSOC está sempre à frente das obras, visitando os domicílios, esclarecendo como cada projeto será realizado, os benefícios desses investimentos para a população e traçando o perfil socioeconômico de cada região atendida pela Seinfra.

A superintendente esclarece ainda que a equipe é formada por uma cientista social, psicólogos e assistentes sociais previamente capacitados e aptos para atuar dentro de suas competências no dia a dia com a população.

Leila acredita que o convite para assumir uma superintendência da Seinfra é fruto de toda dedicação aos trabalhos que já desenvolveu e fala sobre sua nova fase: “Eu saí de um ambiente onde basicamente eram só mulheres, onde podíamos contar no dia a dia quantos homens haviam ali. Vim para um ambiente totalmente oposto, só esse fato já é um desafio”, pontua.

No entanto, Leila não vê isso como um ponto negativo e sim como apenas mais uma experiência para somar a tantas outras já adquiridas, “trabalhar de forma ativa e demonstrar resultados é a principal forma para provar que uma mulher é tão capaz quanto um homem de assumir qualquer cargo”, conclui a superintendente.

*com Assessoria