Colabore com o Eufemea

Título a Damares: Vereadoras confrontam parlamentar que sugeriu que elas mudassem o voto

O projeto de decreto do vereador Pastor Oliveira, que concede o Título de Cidadã Honorária de Maceió à senadora Damares Alves, gerou debate na Câmara de Vereadores nesta quinta-feira (13). O projeto foi aprovado ontem em primeira discussão e recebeu voto contrário da vereadora Teca Nelma (PT). Nesta quinta-feira, a vereadora Olívia Tenório (PP), que não estava presente na votação de ontem, posicionou-se contra a concessão do título.

Na sessão de hoje, o vereador bolsonarista Leonardo Dias (PL) defendeu a causa e afirmou que Damares é uma “mulher cristã engajada nas causas das mulheres, indígenas e crianças, sendo uma figura admirável.”

Na mesma fala, insinuou que “muitas mulheres que dizem defender os direitos das mulheres estão se posicionando contra uma mulher só porque ela compôs o governo do Bolsonaro”. Ele, porém, não citou os nomes das vereadoras, mas pediu que as mulheres repensassem o voto.

Eu tenho nome!

Foto: Cortesia

Em seguida, a vereadora Olívia Tenório pediu a palavra e disse que gostaria de se apresentar. “Às vezes você esquece quem eu sou. Prazer! Eu sou Olívia Coimbra Tenório Vilaça. Quando quiser falar de mim, pode citar meu nome. Adoro quando vejo meu nome saindo da sua boca, porque assim tenho certeza de que estou fazendo as coisas certas”, ironizou.

Ela deixou claro sua posição contrária à decisão e reforçou que sua oposição não é uma questão de gênero. “Não é porque sou mulher que devo apoiar um título para outra mulher, especialmente quando não compartilhamos dos mesmos ideais,” afirmou a vereadora.

Ela destacou que, embora a senadora Damares Alves tenha boas intenções em algumas de suas ações, ela prejudicou diversas lutas históricas pelas quais a vereadora e muitas outras mulheres vêm batalhando há décadas.

“Represento muitos segmentos e defendo os direitos das mulheres, inclusive das mulheres pensarem diferente de mim. Mas isso não quer dizer que eu tenha que gostar de todas. Eu defendo algumas bandeiras que a Damares não defende. Não posso votar a favor de uma mulher que fez discursos que ofenderam algumas pessoas de movimentos que eu defendo,” enfatizou.

A vereadora também destacou que, embora lute pelos direitos das mulheres, isso não significa que ela deva gostar ou aplaudir todas as mulheres, sobretudo as que têm ideais diferentes dos dela.

“Eu tenho meus direitos. Tenho o direito de pensar e votar diferente. Isso não diminui as bandeiras que defendo e não diminui a minha luta pelas mulheres”, comentou. Olívia também destacou que não há realizações concretas da senadora que beneficiem diretamente a cidade de Maceió.

Negar nosso direito de resposta

Foto: Cortesia

Em seguida, a vereadora Teca Nelma (PT) afirmou que há uma “banalização das comendas” e que não teme debates ideológicos. “Falar sobre mulheres sem mencionar seus nomes é um subterfúgio para negar nosso direito de resposta”, disse a parlamentar ao vereador Leonardo Dias.

“Mas, como estamos em um debate, eu gostaria de relembrar apenas uma das poucas declarações que Damares fez sobre o Nordeste, como por exemplo: ‘O Nordeste tem um manual de bruxaria para as crianças’. Este é o tipo de pessoa que será reconhecida como cidadã honorária da cidade de Maceió, uma cidade nordestina”, falou.

Teca também afirmou que defende os direitos das mulheres, mas que não precisa concordar com todas elas. “Meu trabalho é reconhecer as mulheres que lutam por igualdade e direitos, não aquelas que atrapalhem”, afirmou.

A vereadora reforçou que conceder o título de cidadã honorária para Damares e pedir que repensem o voto, simplesmente porque ela é mulher, representa na verdade uma tentativa de ‘constranger’ o direito das vereadoras de dizer não.

“Isso não vai colar nem para mim, nem para a Olívia. Fomos eleitas por pessoas que pensam como nós. Nós incomodamos bastante, mas vamos continuar nesses espaços que também são nossos”, concluiu.

Assista a sessão completa: